A agressão contra uma é a dor de todas!

Vídeo divulgado pela Polícia Militar de Santa Catarina traz áudios reais e relatos de violência

Foto: Reprodução


Não tem como não se emocionar. Não tem como não chorar junto com todas essas mulheres. Não há maneira de não deixar as lágrimas caírem por essas vidas. Arruinadas, espancadas, agredidas, machucadas. Feridas.

Elas foram marcadas a ferro pela violência. Foram maltratadas por seus maridos, namorados, vizinhos e sabe-se lá quantos outros, que as reduziram a pó.

Muitas foram mortas, apagadas, pura e simplesmente por serem mulheres. Por aquele velho e horrendo pensamento machista, que diz que o feminino é inferior ao masculino. Não é a toa que os números da violência crescem, assustam e intimidam.

Ontem, no Dia Internacional da Mulher, a Polícia Militar de Santa Catarina divulgou em sua página do Facebook um vídeo que tem circulado e abalado milhares de pessoas. Neste vídeo, áudios reais de ligações feitas para a polícia por mulheres, denunciando agressões.

Junto à publicação, o dado alarmante: “Nos últimos 12 meses, em Santa Catarina, 41.940 mulheres foram vítimas de alguma forma de agressão física, uma média de 116,5 agressões por dia.”

O vídeo está logo abaixo, mas já aviso que é forte. Como eu disse, não há como não se emocionar ao ouvir os relatos.

A única coisa que, de uma forma mínima, acalenta, é o recado da polícia: “a Polícia Militar reafirma seu compromisso de defender todas as Rosas, Hortências, Margaridas, Joanas, Anas, Marias...”

E eu, reafirmo o meu compromisso de continuar lutando. Continuar não calando, não deixando o machismo se enraizar, não permitindo que a violência se perpetue e ajudando todas as irmãs que precisarem. Juntas, nós somos mais fortes. Juntas, nós podemos criar um mundo melhor.

Que todas nós reafirmemos nossas missões: lutar pela igualdade e pelo fim da violência! Que ninguém apague a nossa essência, jamais!


NAIARA SILVEIRA

naiara@gaz.com.br