Os cinco procedimentos estéticos mais realizados pelos millennials

Lipoaspiração, rinoplastia e abdominoplastia são algumas das intervenções mais populares entre os jovens; cirurgião aponta cuidados ao se submeter a elas tão cedo

Foto: Divulgação


Referência no segmento, o Brasil é o segundo país com o maior número de procedimentos cirúrgicos estéticos realizados no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Foram quase 1,5 milhão de intervenções em 2016, de acordo com levantamento da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS). As prioridades dos millennials, que vão no caminho oposto do apartamento e do carro zero, estão mais direcionadas à satisfação pessoal e à busca por autoestima, o que fez crescer a demanda do setor entre os jovens nascidos entre 1980 e 2000, segundo o cirurgião plástico Marco Aurélio Guidugli.
 
Dimpleplasty, bichectomia, ninfoplastia: de tempos em tempos surgem procedimentos que se tornam populares, mas são os mais clássicos que permanecem como queridinhos. Prótese de silicone e lipoaspiração encabeçam o top 5 da geração Y tanto no Brasil quanto no mundo.

LEIA MAIS: Conheça técnicas para desacelerar corpo e mente

Guidugli enfatiza, no entanto, a importância de refletir cautelosamente se há a real necessidade de realizar uma cirurgia plástica, uma vez que riscos são inerentes a intervenções. “Se o objetivo é recuperar a autoestima para melhorar a qualidade de vida, é uma solução a ser avaliada. No entanto, é preciso mensurar o desejo pelo corpo ‘perfeito’ ou a busca por atributos que podem ser exagerados”, orienta o especialista, que comenta as cinco operações mais realizadas entre os jovens.

Prótese de silicone 

A cirurgia mais desejada é, sem dúvida, a prótese de silicone. O Brasil realizou cerca de 217 mil procedimentos dessa natureza, segundo o ISAPS, que contabilizou quase 660 mil intervenções desse tipo ao redor do mundo entre millennials, representando 45,4% do total.

“A prótese traz de volta a autoestima de meninas que não obtiveram um desenvolvimento satisfatório da mama na adolescência. No entanto, é sempre importante orientar a paciente a não se deixar levar por modismos e fazer as escolhas corretas para que o implante seja adequado ao biótipo dela”, explica o cirurgião. Próteses muito grandes podem trazer uma série de problemas, como desgaste da coluna e o surgimento de estrias.

Lipoaspiração

Em segundo lugar está a cirurgia que reduz o excesso daquela gordura que não queima nem com crossfit e reza brava. Foram realizadas aproximadamente 209 mil lipoaspirações em terras tupiniquins em 2016 – o que corresponde a 14,4% do total dos procedimentos realizados no mundo.

Levando em conta os procedimentos dessa natureza feitos em todos os países, os millennials simbolizam 45% do público. “A lipo é indicada para pacientes que desejam se livrar de gorduras localizadas, não para quem quer emagrecer. Além disso, há um limite de gordura que pode ser retirada do corpo para mantê-lo saudável, então é sempre bom conversar com o cirurgião sobre o resultado possível para não se frustrar com o pós-operatório”, afirma Guidugli.

Rinoplastia

Embora Los Angeles (CA), nos Estados Unidos, seja a capital mundial do nariz empinado, o Brasil é o verdadeiro líder no ranking de rinoplastias – com mais de 74 mil intervenções em 2016, de acordo com o ISAPS. No cenário mundial, o número de jovens nascidos entre os anos 1980 e 2000 com o nariz novo em folha é ainda mais expressivo do que os que buscaram a lipoaspiração, representando 65,3% do público. “A procura por esse procedimento é alta não só por mulheres, mas também pelos homens, cuja demanda por tratamentos estéticos é irrisória diante do público feminino, na maioria das vezes”, comenta o cirurgião plástico.

Abdominoplastia

Segundo o Dr. Marco Aurélio Guidugli, essa modalidade é buscada, sobretudo, por mulheres que deram à luz recentemente e pessoas que perderam muito peso e desejam acabar com o excesso de pele. “A operação consiste em retornar os músculos do abdômen à posição correta e retirar a pele flácida, puxando-a para baixo e realizando um corte horizontal, na região do púbis”, explica Guidugli. Foram realizadas cerca de 133 mil cirurgias desse tipo no Brasil em 2016, que só perde para os Estados Unidos, com 137 mil abdominoplastias feitas no mesmo período.

Lifting de mama

As millennials que estão se aproximando ou já passaram dos trinta anos são o púbico da quinta cirurgia mais realizada entre mulheres dessa faixa etária. Ao longo de 2016, os cirurgiões brasileiros realizaram quase 89 mil liftings de mama – mais de 15% de todas essas intervenções. “Os seios são muito valorizados no Brasil e nos EUA, onde as mulheres querem ficar com ‘tudo em cima’, mantendo suas mamas com aparência firme e um corpo jovial”, diz o especialista.
 
Além dessas cinco cirurgias plásticas, realizadas pelo Dr. Marco Aurélio Guidugli, o especialista ressalta também a grande procura dos millennials por intervenções não cirúrgicas, como preenchimento com ácido hialurônico, aplicação de toxina botulínica e peeling facial.

Sobre o Dr. Marco Aurélio Guidugli

Formado em medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e especializado em Cirurgia Plástica pelo Serviço de Cirurgia Plástica Oswaldo Cruz, o doutor Marco Aurélio Guidugli, CRM-SP 115.842 - RQE 39.781, é membro da Sociedade Brasileira de cirurgia Plástica (SBCP) e atua na clínica que leva o seu nome.