Chanel recria praia com ondas de verdade para desfile em Paris

Este foi mais um dos cenários extravagantes e criativos idealizados pelo estilista da marca, Karl Lagerfeld

Foto: Bertrand Guay


Qual o limite para as extravagâncias de Karl Lagerfeld? A pergunta parece ressoar ao fim de cada desfile da Chanel, em que o diretor criativo põe à prova cenários cada vez mais megalomaníacos. Desta vez, o estilista alemão recriou uma orla no Grand Palais, em Paris, com direito a ondas e areia de verdade.

LEIA MAIS: Vans apresenta coleção dedicada aos 90 anos de Mickey Mouse

Antes disso, a passarela da grife já teve como pano de fundo uma floresta, uma cachoeira, um supermercado e até uma estação espacial - com direito a um foguete (literalmente) decolando no palácio francês na apresentação de outono/inverno 2017.

Para esta coleção de primavera/verão 2019, Lagerfeld mirou no estilo de vida praiano, misturando elementos inspirados em uma viagem de verão - pense em chapéus de palha e estampa de guarda-sóis - a outros típicos da etiqueta, como os casaquetos de tweed e os vestidos de festa midi em preto e branco.

        Visualizar esta foto no Instagram.                      

Uma publicação compartilhada por CHANEL (@chanelofficial) em 2 de Out, 2018 às 12:50 PDT

Fotos: Bertrand Guay

 

 

Como se estivessem em um passeio despretensioso pela praia, as modelos entravam descalças na areia, depois subiam em um píer e calçavam chinelos transparentes. A paleta de cores era adocicada com toques cítricos, enquanto as modelagens apareciam levemente arredondadas e afastadas do corpo.

Em uma coleção mais leve e jovem que as anteriores, Karl Lagerfeld apresentou ainda a própria versão da bermuda de ciclista, que promete dominar as vitrines da próxima estação. De encher os olhos, os acessórios dividiam-se entre praianos, como as mini-bolsas e chinelos de palha, e os com inspiração vintage, caso das bolsas de matelassê usadas em duplas e dos cintos de corrente dourada com letras formando o nome da marca. 

Seguindo a fórmula que já provou ser um sucesso, o estilista escolhe não levantar bandeiras políticas e sociais em suas apresentações, oferecendo um clima escapista aos fashionistas no nono e último dia da semana de moda de Paris.