Exercitar a paciência garante melhor qualidade de vida

Além dos problemas de curta duração, o estresse e a impaciência, em longo prazo, podem gerar problemas de saúde

Foto: Divulgação


Um estudo da instituição International Stress Managemente Association concluiu que o Brasil é o segundo país com maior índice de estresse do mundo, atingindo 70% da população. Em cenários que provocam irritação e desestabilidade emocional ser paciente é um recurso poderoso, pois o estado interno de calma e serenidade amplia a capacidade de tomar decisões mais sensatas e garantir, assim, melhores resultados.

No cotidiano, existem diversos tipos de dificuldades – fatores como engarrafamento, filas, atrasos são exemplos de situações constantes para pessoas que moram nas grandes cidades. Em acontecimentos estressantes, a paciência pode evitar desfechos negativos: em 2011, o serviço 190 da Polícia Militar de São Paulo registrou uma média de vinte ocorrências diárias ocasionadas por brigas no trânsito.

Além dos problemas de curta duração, o estresse e a impaciência, em longo prazo, podem gerar problemas de saúde, como doenças cardiovasculares, baixa imunidade, dificuldades de respiração, gastrite, obesidade e até alguns tipos de câncer. Para isso, exercitar a paciência é essencial, conforme indicação do médico cirurgião, terapeuta e instrutor do Núcleo Ser, Marcelo Katayama. “Não existem estudos conclusivos que mostram alterações fisiológicas da paciência no nosso organismo, mas percebemos que, na prática, as pessoas que desenvolvem a paciência de forma efetiva tendem a lidar melhor com situações que gerariam estresse e ansiedade”.

“A paciência não é uma atitude passiva de desistência, mas adquirir uma postura ativa, pois isso significa que a pessoa analisou a situação e percebeu que a melhor atitude para aquele contexto é esperar, se manter calma, ter fé e confiar”, complementa o especialista.

O médico também lista algumas dicas para exercitar a paciência e se manter calmo mesmo em situações adversas. Confira a seguir:

•      Procure identificar os momentos de impaciência e tome um fôlego antes de agir. Exercícios de respiração oxigenam melhor o cérebro, possibilitando a escolha de comportamentos mais assertivos.

•      Descubra qual é o propósito maior por trás das atividades que trazem impaciência. Muitas vezes, identificar um objetivo abrangente ajuda a aceitar uma dificuldade transitória.

•      Práticas como artes marciais, yoga, meditação auxiliam na percepção do próprio corpo e, consequentemente, eliminam pensamentos que geram tensão e ansiedade.

•      Aceite que erros acontecem. Qual é a melhor opção: criticar e lamentar acontecimentos adversos ou tomar uma atitude positiva para ter o resultado desejado na próxima vez?

Com informações da Core Comunicação