Saúde: verão é época de candidíase

Ginecologista Élvio Floresti Junior indica como a mulher pode se proteger

Foto: Divulgação


O verão está agitando as praias e piscinas de todo o país e junto com o alto astral contagiante da estação, as mulheres devem ter cuidado redobrado com a candidíase. Segundo o ginecologista e obstetra Élvio Floresti Junior, os fungos agentes causadores deste mal preferem locais quentes e úmidos. E nesta época, além do calor, também é comum o uso prolongado de roupas de banho como biquínis e maiôs, fazendo com que a frequência dessa doença seja bem maior.

“Além das roupas de banhos úmidas, outro fator que pode causar a doença é o uso de roupas muito apertadas, calcinhas de tecidos sintéticos e o uso de antibióticos. Este tipo de medicamento pode alterar a flora de proteção vaginal e facilitar o aparecimento da candidíase”, explica o especialista.

Dentre as diversas espécies de fungo agente da candidíase está a Candida Albicans, que é o fungo mais frequente. Este fungo praticamente está presente em nosso organismo e normalmente fica localizado no intestino sem fazer mal algum. “Quando há queda de resistência do organismo ou modificação do ph vaginal, este fungo, por ser oportunista, prolifera e causa os sintomas conhecidos como irritações, pruridos, entre outros. É importante ressaltar que você não adquire o fungo na praia, apenas dá para eles um ambiente favorável para se desenvolver rapidamente”, esclarece doutor Élvio.

Entre as principais medidas para evitar a candidíase nesta época do ano estão a preferência por calcinhas de algodão, evitar o uso de calças apertadas ou de materiais sintéticos, não ficar muito tempo com o mesmo biquíni molhado na praia ou na piscina e optar por saias e roupas leves ao invés de calças jeans, já que a região não fica tão apertada.

A medida mais indicada é procurar um especialista para um diagnóstico efetivo da doença feito por um exame ginecológico. “Após a consulta com um ginecologista, o tratamento é feito com cremes vaginais fungicidas associados ao tratamento oral. Mas caso a ocasião não permita que a pessoa busque ajuda médica rapidamente, outra opção são os tratamentos com banhos de assento feito com bicarbonato de sódio ou ácido bórico”, alerta. Existem diversos tipos de tratamentos para a candidíase, mas a reincidência é muito frequente. Por isso, muitas vezes o tratamento deve ser feito por um período mais longo.


LUANA RODRIGUES

luana.rodrigues@gaz.com.br