Depressão, ansiedade e estresse são mais prevalentes em mulheres

Para cada homem com depressão no mundo há duas mulheres, segundo estatísticas da ONU

Mulheres são mais propensas a desenvolver depressão, ansiedade e estresse que os homens
Foto: Reprodução


Dupla ou tripla jornada de trabalho, educação dos filhos, tarefas domésticas e a rotina atribulada fazem parte da vida da mulher moderna. Mas, tantas responsabilidades geram um desgaste físico e emocional que nem sempre é fácil de gerenciar. O resultado não poderia ser diferente: elas são mais propensas a desenvolver depressão, ansiedade e estresse que os homens.

Para cada homem com depressão no mundo há duas mulheres, segundo estatísticas da ONU (Organização das Nações Unidas). Estima-se que os transtornos ansiosos atingem 30% das mulheres e 19% dos homens. Alguns distúrbios, como síndrome do pânico, fobias e estresse pós-traumático são de duas a três vezes mais frequentes nelas do que neles.

Segundo Fernanda Queiroz, psicóloga e sócia-diretora da Estar Saúde Integrada, as razões para maior prevalência de alguns transtornos psiquiátricos em mulheres são complexas. “As circunstâncias da vida, como a sobrecarga de trabalho, a dependência econômica ou emocional, a violência doméstica e o cansaço, por exemplo, são fatores de risco para desenvolver quadros de depressão, ansiedade e estresse”.

“Por outro lado, devemos lembrar que as mulheres são mais sensíveis aos efeitos dos hormônios, que também influenciam as emoções diretamente. Os sexuais, como o estrogênio e a progesterona, participam dos mecanismos de produção e liberação de diversos neurotransmissores, responsáveis pelo humor e pelo comportamento, por exemplo,” explica Fernanda.

Segundo a psicóloga, é comum hoje que a mulher tenha menos tempo para cuidar da própria saúde e menos tempo para o lazer. “No Brasil não há uma cultura de cuidado com a saúde mental de forma preventiva”.

“A saúde física da mulher é bem cuidada, na maioria dos casos, especialmente pela necessidade dos exames ginecológicos anuais. Porém, a saúde mental, que é tão importante quanto a física, acaba sendo negligenciada. Menos tempo para si e para o lazer são importantes fatores de risco para que o estresse acabe se tornando uma depressão ou um transtorno de ansiedade”, afirma Fernanda.

É possível prevenir?

Sim, segundo a psicóloga o estresse, a depressão e a ansiedade são condições que podem ser prevenidas por meio da adoção de uma vida saudável em todos os sentidos. Veja algumas dicas preparadas pela Estar Saúde Integrada que podem te ajudar:

  1. Saúde começa no prato: Um estudo comprovou que consumir “junk food”, rico em gordura trans, de forma regular, aumenta em 48% o risco de depressão. Portanto, adote uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, cereais integrais, peixes e alimentos frescos. Se você ama chocolate, escolha o meio amargo ou amargo.
  2. Sono: Uma boa qualidade de sono é fundamental para descansar o corpo e a mente. O ideal é dormir de 6 a 8 horas por noite. A insônia é um dos primeiros sinais de que há algo errado com a saúde mental.
  3. Mexa-se: A atividade física é essencial para o bem-estar, além de ajudar a manter o peso. Procure algo que você goste e faça. Caminhadas, natação, dança, yoga, ciclismo. Não faltam opções.  
  4. Dedicação total a você: Você precisa estar bem para trabalhar, cuidar da família, sair com os amigos. Encontre um tempo para fazer algo que você goste, como ir ao salão de beleza, dançar, ouvir música, ler, tomar um banho demorado. Se possível, reserve esse tempo todos os dias, afinal, você merece!  
  5. Peça ajuda: Se você não está conseguindo lidar com as tribulações do dia a dia, peça ajuda. Lembre-se que você é forte, mas não é uma heroína. Todos temos nossas dificuldades. Dividir as tarefas domésticas é importante, assim como a responsabilidade pela educação dos filhos e pela manutenção financeira da família.
  6. Faça terapia: A psicoterapia é muito válida para ajudar no gerenciamento das emoções. É uma excelente forma de cuidar da saúde mental. Não tenha vergonha nem medo de procurar ajuda, afinal é preciso muita coragem para sair da zona de conforto e mudar aquilo que é preciso!