Doença nos cílios pode levar à cegueira

Tracoma, uma infecção causada por uma bactéria transmitida por moscas, é uma das principais causas do entrópio no Brasil

Foto: Divulgação


Já imaginou seus cílios constantemente crescendo em direção ao seu globo ocular? O nome médico para esta condição é entrópio, uma alteração anatômica da pálpebra que se caracteriza pela inversão da margem palpebral, ou seja, a borda da pálpebra se inverte fazendo os cílios crescerem para dentro.

Segundo Dra. Tatiana Nahas, oftalmologista, especialista em cirurgia de pálpebras e Chefe do Serviço de Plástica Ocular da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o entrópio atinge mais comumente a pálpebra inferior, causando irritação ocular, sensação constante de ter um corpo estranho nos olhos e lacrimejamento. “Além disso, o entrópio pode levar à ceratite (lesão da córnea) e à ulceração da mesma devido ao trauma constante dos cílios contra o globo ocular”, diz a médica.

Como o entrópio surge
O entrópio pode ser congênito (quando surge ao nascimento), senil, cicatricial ou espástico, sendo o mais comum o senil, que aparece como resultado do processo de envelhecimento. Ao envelhecermos, a pele fica mais flácida, o que pode levar à perda da tensão dos músculos. Além disso, há atrofia da gordura do globo ocular.  

Segundo Dra. Tatiana, o entrópio cicatricial costuma aparecer após o tracoma, uma infecção causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que leva a uma cicatriz tardia de ceratoconjuntivite. O tracoma é a principal causa de entrópio no Brasil. Outras causas estão relacionadas a traumas, queimaduras, processos inflamatórios, acne rosácea ou doença das glândulas de Meibômio.

“Normalmente, o cicatricial é mais grave e atinge mais a pálpebra superior. O espástico é decorrente de espasmos excessivos da musculatura periocular, forçados ou involuntários, devido a doenças que atingem as células do sistema nervoso, como no blefaroespasmo facial, por exemplo,” explica a especialista.

Tracoma e Herpes Zoster como fatores de risco
O herpes zoster é um vírus que fica adormecido no organismo de quem já teve catapora, por exemplo. Há pessoas que nunca vão apresentar nenhuma infecção por ele, porém com o passar da idade as probabilidades aumentam. A infecção pelo herpes zoster pode afetar os olhos, levando posteriormente a um quadro de entrópio.

A infecção pela bactéria Chlamydia trachomatis leva ao desenvolvimento do tracoma, uma das principais causas de cegueira evitável no mundo. É muito comum em países da África e da Ásia, por isso ao viajar para estes países é ideal evitar coçar os olhos ou deixar moscas pousarem neles. Esses insetos são responsáveis por transmitir essas bactérias de uma pessoa para outra. O entrópio pode surgir como uma consequência do tracoma, como citado anteriormente.   

Como é feito o tratamento
Após o diagnóstico, que deve ser feito por um oftalmologista, o tratamento definitivo é cirúrgico. São indicados lubrificantes oculares e antibióticos tópicos. Entretanto, como o entrópio pode afetar a córnea, o tratamento deve ser feito o mais breve possível, na maioria dos casos.

“A cirurgia é realizada para corrigir a posição da pálpebra e evitar o crescimento dos cílios para dentro. No entrópio espástico podemos usar a toxina botulínica e o afastamento mecânico por meio de fita adesiva. Cada caso irá requerer um tipo de tratamento e só o médico pode indicar a terapêutica mais adequada”, comenta a médica. 

Mesmo após a cirurgia, alguns pacientes podem apresentar recidiva da condição, ou seja, os cílios podem voltar a nascer para dentro. Nestes casos, é feita uma nova cirurgia.