Atividades físicas com tempo seco requerem mais cuidados

Quem é acostumado a malhar nem sequer pensa na possibilidade de não se exercitar, então deve ficar atento às dicas

Com tempo mais seco, muitos santa-cruzenses aproveitam para fazer atividades ao ar livre
Foto: Rodrigo Assmann


Em caso de tempo seco as partículas atmosféricas ficam em suspensão, tornando-se ainda mais evidentes quando a baixa umidade está associada a altas temperaturas.  

As pessoas com histórico de doenças respiratórias estão mais vulneráveis a recaídas, em longos períodos sem chuvas. Mas não é só quem sobre de asma e bronquite que precisa se preocupar. Ao respirar o ar seco, levamos para o pulmão mais poluição e, consequentemente, poeira e diferentes tipos de vírus.

Nessas ocasiões, o melhor seria evitar exercícios físicos a céu aberto, principalmente nas cidades mais poluídas. Mas quem é acostumado a malhar nem sequer pensa nessa possibilidade. Porém, precisa tomar alguns cuidados.

A doutora Karina Karina Hatano, médica do exercício e do esporte, explica o que deve ser feito para amenizar os perigos. “Treine cedo, de preferência antes das 9 horas da manhã ou no final da tarde, após as 16 horas, e em casa mantenha arejados os ambientes, umidificando-os com vaporizadores ou recipientes com água. Fundamental também caprichar na hidratação antes, durante e depois dos exercícios, além de reforçar a ingestão de líquidos ao longo do dia”, explica a especialista.

Outros conselhos:

Use roupas claras, confortáveis e ventiladas;

Reduza o ritmo. O calor e o clima seco consomem energia e fazem o cansaço aparecer antes da hora, além de exigir mais do corpo;

Preste atenção na intensidade do esforço físico e não ultrapasses seus limites. Dor de cabeça, tontura, vista turva, coração disparado e cansaço além do normal são sinais de alerta. Diante de qualquer sintoma estranho, pare imediatamente;

Lave as narinas com soro fisiológico antes da atividade física.

Se a falta de chuva é prejudicial à qualidade do ar, o excesso também não é o ideal. “Quando a umidade está alta, o corpo sente dificuldade na transpiração e resfriamento da temperatura”, comenta a médica.

Com a sensação térmica maior, a impressão é de que está mais calor e, com a perda de calor prejudicada, ocorre interferência no desempenho dos exercícios, além do comprometimento da saúde. Os ácaros e fungos também se proliferam rapidamente com a alta umidade, o que pode causar rinite alérgica e asma.

O excesso de esporte em condições como essas, podem resultar em cãibras, esgotamento e até acidente vascular cerebral.

Saiba se a umidade está favorável:

Ideal: entre 70% e 40%

Estado de atenção: entre 30% e 21% (evite se expor ao sol das 11 às 15 horas)

Estado de alerta: entre 20% e 13% (evite se expor ao sol das 10 às 16 horas)

Estado de emergência: abaixo de 12% (evite a prática de exercícios)

 

*Fonte: Karina Hatano - Médica do exercício e do esporte